sexta-feira, março 25, 2016

Bruxelas meu Amor!

Estive desligado do blog. Começou por ser uma aventura da escrita e do pensamento. Do comentário e da revolta. Mas parei para pensar e fazer outras coisas. Agora que volto a abrir a página eis que me deparo com o que escrevi.
Estamos na pior. Os ditos hiper-vandálicos redobraram esforços para matar. Bruxelas, meu Amor. Continuo com o que disse e escreve. Só com a destruição destes não humanos é que teremos um caminho mais harmónico. Não quero aceitar que seja o único caminho. Há que saber receber os que fogem a esta inumanidade. Conseguir encontrar um equilíbrio entre a dor e o sofrimento, a paz e a organização.
Para mim acredito que o esforço não estará só de um lado. Os islâmicos também têm que fazer um esforço. Gigantesco, mas necessário. Comecem por respeitar as suas mães, irmãs e mulheres em geral. Permitam-lhes o espaço de afirmação. Vão ver e confirmar que isso é Bom.
Aqui, no meu pequeno mundo, o sol, o inverno, o frio, tudo contribui para um viver harmónico. A vontade da vida natural, humana.
A dança, a alegria da vida, da cor e do género. A cidade na noite. Uma paz serena e convidativa. Ao fundo a terra no seu encontro com o céu. Mais Luz e Cor para o equilíbrio do Ser.

quarta-feira, março 18, 2015

Uma nova forma de entender!

O pão nosso de cada dia está em conformidade com o tempo e as coisas que vão acontecendo. Agora os EUA já referem a necessidade de falar com o Sr. da Síria. A terra devastada, as populações em fuga, o sofrimento de milhões de indivíduos, homens, mulheres e crianças só agora desperta as consciências.
Mas o que me parece é que a necessidade de encontrar uma resposta que seja eficaz contra os depredadores dos bens e da vida humana é que falou mais alto.
Ninguém consegue impor um regime democrático através da guerra e da destruição do adversário, a não ser que já antes dela essa região ter vivido a democracia. O que não é o caso do Médio-Oriente.
A destruição dos regimes que governavam com mão de ferro os países da região provocou um vazio de autoridade que potenciou o triunfo do terror para se reorganizar uma nova forma de vida. As permanentes e brutais agressões praticadas pelos israelitas sobre as populações palestinianas gerou o ódio e uma sede de vingança que ultrapassa o que poderíamos considerar anormal.
Continua a ser difícil de explicar como é que jovens educados e educadas nos países ocidentais, com a vida democrática estabelecida, possam integrar esta horda hiper vandálica.
Agora um ataque num Museu na Tunísia. A matança de turistas ocidentais. Nós estamos a sofrer as consequências de não termos sabido impor uma Paz duradoura e estável na área israelo-palestiniana. Se os palestinianos atacam são terroristas, se os israelitas atacam estão a defender-se, mesmo que a proporção de mortes e destruições seja infinitamente superior no lado dos palestinianos.

domingo, março 08, 2015

Igualdade de Género - Um desafio global

Hoje é dia 8 de março. Novidade de La Palisse! Aqui, neste país de miragens e ambições, comemora-se o dia da mulher.
Porquê o reparo?
Parece-me que estamos numa fase de viragem universal. A profusão de equipamentos transmissores de mensagens, facilitando a comunicação instantânea, está a provocar uma autêntica revolução global. Tudo o que se faz, pensa ou prepara é divulgado e recebido.
As realizações, sejam mais ou menos grandiosas, encontram sempre um público interessado.
A utilização dos meios transmissores de mensagens é aberta. Funciona para todos os lados e com todos os interessados. A divulgação das atrocidades dos radicais islâmicos é bem a prova disso. Que controlo é que se pode ter sobre este procedimento?
Sabendo que funciona de ambos os lados, dos que procuram a informação mais correta e verdadeira aos que a utilizam como arma de guerra e de propaganda do terror, há que esperar os resultados que daí resultam.
Hoje um dos maiores valores da nossa cultura e, se assim se pode classificar, da nossa civilização é a valorização do lugar da mulher na sociedade.
Como cristão há que destacar a trilogia da sagrada família e a preponderância de Maria como mãe e protetora.
O hoje tão badalado mundo islâmico não vê o seu papel do mesmo modo. Se há países onde se começa a ter um novo conceito outros há que o renegam.
Já começa a ser desprezível este contínuo procedimento de comparação. Mas eles não nos deixam outro caminho.
A minha mãe foi uma mulher lutadora. Passou por adversidades e por alegrias. Mas deixou-nos uma mensagem de paz e de liberdade.
Para ela e para todas as mulheres um grande abraço de respeito e amizade.

terça-feira, março 03, 2015

Hoje, a diferença!

Depois do que escrevi no texto anterior regista-se uma diferença de atitude assinalável. Refiro-me à posição dos EUA com Obama. Está naquele país o sr. Netanhiau, de Israel. Vai discursar no Senado (?). O Presidente da República não o recebe.
O que fará o Sr. dito Netanhiau naquelas partes da América? Quer guerra contra o Irão. Aqui valha-nos a Tora, eles querem destruir Israel!
Mas importa perguntar, no âmbito desta saga interminável e louca que estamos a viver, quem começou toda esta série de ameaças?
Já assistimos a demasiadas ações de guerra no Médio Oriente. Seria de esperar um discurso de Paz e de aproximação.

A questão que se vem colocar é a de haver o perigo do Irão produzir armas nucleares. Bem, ao que sabemos Israel já as tem. Estarão em boas mãos, é o que diziam. Mas será? Os outros não acreditam nisso.
A posição do governo norte americano parece razoável. Encontrar um caminho de ordem e paz na região. Mas só isso parece que não chega. O Irão é um país poderoso e desenvolvido. Constitui um valioso aliado na guerra contra o extremismo radicalizado no chamado EI. Há que saber tirar partido das necessidades de cada um. O chamado exército islâmico constitui uma séria ameaça para os iranianos.
Esse país tem uma população de mais de 60 milhões de pessoas. Possui armamento poderoso e moderno. Fazer a guerra contra eles? Exterminá-los? Não me parece coisa boa nem sequer realizável.
Os tempos do Sr. Bush, o da célebre frase i d'nt care, depois da negativa do conselho-geral das nações unidas (que paradoxo). A destruição do Iraque provocou uma insegurança total na região.
Agora Obama parece apostado em proceder a uma aproximação cuidada e necessária. Esperemos que tenha sucesso.
Aqui, nesta terra fértil do Ribatejo, a terra começa a ser preparada para a nova cultura. O inverno vai chegando ao fim. Do frio e da chuva desponta a primavera.Venha boa e alegre, traga mais razoabilidade e produção.

sábado, fevereiro 28, 2015

Há gente que não devia existir.

O título até parece sugerir alguma fobia. Mas não é essa a interpretação correta.
Estamos envolvidos numa saga interminável. Quando era criança o que ouvia na rádio e causava surpresa, produzindo imagens de violência e guerra, era a informação sobre os confrontos entre os israelitas e árabes. Um conflito interminável. Uma violência que se foi progressivamente agravando, com um tempo de duração que chegou até hoje.
Afinal esta raiva o que provocou?
A nossa civilização, diga-se ocidental, caminhou no sentido da igualdade de género. A mulher libertou-se por direito e contestação ao que existia de opressor e de diminuição das suas capacidades.
O mundo islâmico tem um conceito de vida que não considera o papel da mulher na sua sociedade.
Hoje isso está em constante conflito com o que é observável nas regiões não islâmicas. O islamismo está perante um desafio inultrapassável: tem que mudar.
As famílias com a religião islâmica emigraram para os países de base cristã. Encontraram um mundo diferente. Será que o seguiram? Na rua comportam-se como os seus anfitriões? Não, essa é a verdade. Arreigados aos seus costumes não os deixam e reclamam tratamento de diferença. Mas não há o mesmo no sentido contrário.
Afinal o que gerou este conjunto de gente que se passeia pelo médio oriente de armas na mão, manto, violando, causando tanto sofrimento nas populações que são seguidoras do mesmo credo?
Há um bando de assassinos que domina zonas territoriais vastas. Agora, juntando à matança indiscriminada, há a destruição de património cultural dos povos.
Violência tão bárbara e inumana contra as gentes e a sua cultura.
A sua destruição exige um esforço gigantesco. Eles já estão aqui no meio de nós. Não vieram do espaço, nasceram aqui.

sábado, agosto 16, 2014

Mar Novo.

Depois de um espaço temporal alargado aqui me encontro dedilhando sobre as teclas do meu portátil. As letras agrupam-se e formam palavras que vão saindo de uma memória já adestrada no ofício.
Aqui tem estado o meu Dasibao. Creio que era este o nome dos chineses de Mao. O maior embuste da História da Humanidade.
Tantas afirmações, tantas defesas do Povo e tanto crime e desumanidade.
Hoje vemos desenvolver-se um vasto conjunto de novas hipocrisias que nos levam para o caminho do Nada.
Não se olha para o massacre de Gaza mas reclama-se e ameaça-se com o que se passa na Ucrania. Aí pode-se matar e destruir, é pela Democracia. Não sei que Democracia será esta que nos querem impingir.
O Sr. que manda (?) na NATO diz que há que se armar. Os países da organização têm que reforçar o orçamento da guerra. Para quê? Para atacarem os russos. Eles são malandros e bem armados. Parece-me que estão a inventar mentiras para um novo Iraque.
Já agora a mente empurra-me para uma questão: podemos denunciar ao Tribunal Internacional dos Direitos Humanos o tremendo crime contra a humanidade e a paz feito pela América do Sr. Bush no que foi a guerra contra o Iraque? E os que o seguiram alegremente - Lá Vamos Cantando e Rindo. O que se está a passar naquela país e em parte da Síria - que apoiaram no que diziam os manifestantes e opositores do regime - é uma hecatombe. Mas quem destruiu o país? Quem anulou as forças armadas e de polícia?
Aqui na nossa Santa Terrinha damos graças ao Tribunal Constitucional. Perante uma vocação de desprezo pelo trabalho, pelo tempo de serviço, pelas exigências feitas para progressão na carreira e, até, para a admissão ao serviço. Agora defendem o valor das pensões como elevado e há que o diminuir.
Malvados.
Nesta praia. A da Altura, no reino que foi do Algarve, junto umas fotos. Perante o agreste da terras - a beira-mar - a força e resistência das plantas.
Força e resistência. Duas linhas de conduta que devemos manter.

quarta-feira, agosto 07, 2013

Almeirim - Hipocrisia e Ética

Este meu título é problemático. Ouvi há dias o ainda Presidente da Câmara do Porto falar sobre a candidatura do Sr. Menezes, ainda Presidente de Gaia. Não foram boas nem meigas essas palavras.
De palavras se constrói o nosso mundo. Já desde os tempos primordiais da evolução da espécie humana que se fala. Usa-se a linguagem como uma forma de comunicar, de expressar sentimentos, pensamentos e formas de conduta.
Houve um tempo em que isso era proibido neste País. Lembro-me das histórias que o meu pai contava ainda eu era criança: tive que sair de Almeirim para não ser preso, falava de mais contra o que se vivia.
No entanto hoje estamos num outro tempo e numa realidade diferente.
Voltando ao título, creio que a Hipocrisia que se vive é notória nos textos de apoio e não apoio que se têm registado nas chamadas negociações para as eleições autárquicas de Setembro. A acompanhar estas contra-danças figurinistas temos e tivemos um conjunto de mensagens eletrónicas com ameaças a elementos apoiantes e integrantes da lista do PS.
Devo dizer que integro a Lista do candidato Pedro Ribeiro, logo a lista do PS.
Não deixa de ser curioso o processo de intimidação e de oposição que temos assistido.
Mas do mais que se disse e se espera que venha a ser dito importa realçar estes dois aspetos: a hipocrisia e a ética. No que se refere à hipocrisia saliento os beijos e abraços dos elementos que se degladiaram e insultaram durante todos os mandatos do ainda Presidente da Câmara. Processos em Tribunal, violação de email, denúncias, insultos. Tudo isso se registou numa série interminável e bizarra para quem considera o Poder Autárquico como uma forma de expressão Democrática importante para as populações.
Agora andam aos beijinhos uns aos outros como se nada tivesse acontecido. Fenomenal.
A ética é o princípio que gere toda a causa pública, da Justiça ao exercício do Poder Democrático, conseguido através de eleições. Ora a Ética exige lealdade e respeito por regras e normas dignificadoras das funções que se exercem. Não deixa de ser esclarecedora a norma que se lê e jura ao assumir um cargo: "Juro por minha Honra que cumprirei com lealdade as funções que me foram confiadas".
No meu entender o assumir o Poder exige acima de tudo Lealdade. Como diz um poeta anónimo no nosso Cancioneiro: A Lealdade dos Bezerras anda muito pela Beira (isto nas Cantigas de escárnio e maldizer).